Publicidade

Empirismo x Inatismo no Futebol





http://brinquedoamigo.com.br/blog/wp-content/uploads/2014/07/child-football-3_2518965.jpg

Pense num craque no futebol. Ele nasceu com o dom de jogar futebol ou desenvolveu toda sua genialidade no esporte. O que você acha?

Durante séculos os estudiosos tentaram chegar a um consenso a respeito da origem dos princípios racionais, da capacidade para a intuição e de raciocínio do homem. Aplicando no futebol, a pergunta seria se tem jogadores que já nascem com potencialidades, dons e aptidões que serão desenvolvidos de acordo com o amadurecimento biológico ou tudo isso é desenvolvido através da experiência com o mundo externo, com jogos de rua quando era criança u outros estímulos?

Em termos gerais, essa discussão provavelmente se iniciou a partir da discussão de dois dos maiores filósofos da história: Platão e Aristóteles. Embora ambos tenham sido discípulos de Sócrates, Platão defendia a tese de que nascemos com ideias natas, enquanto Aristóteles pregava que tudo é desenvolvido através da experiência, em que o contato com o mundo externo é a única forma de se obter conhecimento e aprimoramento do intelecto.

Através de suas teorias, o inatismo apresenta o ser humano como um agente estático, sem a possibilidade de sofrer mudanças. O craque de futebol já nasceu com o dom de driblar, de dominar e de chutar. As ações dele  é exclusiva do sujeito, o meio não participa dela.

Já os empiristas, se fosse analisar o craque de futebol, sabem que ele é "folha em branco". Segundo Popper, "Não há nada no nosso intelecto que não tenha entrado lá através dos nossos sentidos". Essa é a ideia central do empirismo: a única fonte de conhecimento do craque de futebol é a experiência adquirida em função do meio físico, mediada pelos sentidos. Assim, o empirismo destaca a importância da educação e da instrução na formação do homem.

O estudo do empirismo e do inatismo é importante em razão das muitas questões polêmicas que giram em torno destas duas teorias atualmente e é para ser discutidas nas escolas de formações de treinadores de futebol. Devemos desenvolver todos os alunos que chegam nas escolinhas para ver quem pode aprender mais ou devemos separar quem já demonstra o dom de jogar futebol acreditando que temos um craque nas mãos? Craques são formados ou eles já estão prontos?



Comente:

Nenhum comentário