Publicidade

O professor e as lesões no futebol/futsal






O futebol proporciona às crianças, aos adolescentes e aos jovens, uma ótima forma de exercício aeróbico assim como de desenvolvimento do espírito de equipe.

Para que eles se mantenham com uma atividade regular, produtiva e gratificante, necessitam ser  informados e apoiados no sentido de prevenirem as lesões,  sejam as choque como as de natureza de sobrecarga.

As lesões do futebol, para além de comprometerem a função dos jovens, pode trazer ausência escolar gastos financeiros dos familiares com o seu tratamento e suporte à distância. Alguns tipos dessas lesões, podem fazer até atletas mudarem a orientação vocacional das suas carreiras profissionais.

O AQUECIMENTO E O ALONGAMENTO

A realização regular de um programa de aquecimento adequado, assim como de um regime de exercícios de alongamento, deve ser efetuados previamente ao treino ou ao jogo, ajudam a reduzir significativamente o risco de lesões.

A prática de desenvolvimento desde o início da pré-teporada, de um programa de exercícios de treino neuromuscular, tem-se revelado muito vantajoso na redução do índice de lesões nos membros inferiores dos adolescentes, particularmente em relação ao ligamento cruzado anterior.

Neste programa de treino neuromuscular, devem ser incluídos pelo treinador de futebol, exercícios específicos para: alongamento progressivo, para melhoria do equilíbrio, para ganho de agilidade e ainda para treino proprioceptivo, bem como de controle no salto e na recepção no solo.

A utilização da corda de saltar em carga bi e unipodálica e de modo alternante, é bem aceite pelos miúdos, não requer assistência particular por parte do treinador e melhora significativamente a propriocepção.

Do mesmo modo, cinco a dez minutos de "trote" (jogging) suave com apoio  dos pés, é também um excelente modo de melhorar a propriocepção dos membros inferiores.

A HIDRATAÇÃO E A DESIDRATAÇÃO

A gestão da ingestão de líquidos e electrólitos é provavelmente o aspecto mais negligenciado pelo praticante e até mesmo pelo seu treinador, especialmente na época de tempo quente.

A desidratação deve ser sempre muito preocupante nos miúdos futebolistas, quer pelos inerentes riscos cardiovasculares, quer pela perda de desempenho que provoca. É ainda um terreno favorecedor para o desenvolvimento de lesões de sobrecarga, particularmente no tendão e na cartilagem articular.

É importante o treinador estar atento aos sinais precoces da desidratação, como sejam: cansaço fácil, tonturas, discreta dor de cabeça, aceleração da frequência cardíaca, sudação excessiva.

Nestas situações o jovem deve imediatamente ser retirado do campo e levado para uma zona fresca, onde deverá iniciar a ingestão suave e gradual de água ou de uma bebida "com sais". Nesse dia não está indicado voltar a jogar futebol.

Como regra básica para o controlo da hidratação, o treinador deve estar atento de modo a que o jovem futebolista meia hora antes do desenvolvimento da actividade física (treino ou jogo), ingira dois bons copos de água ou de uma bebida dita " sport drink ". Ao intervalo deverá voltar a ingerir mais um bom copo de água ou melhor ainda, de uma bebida "com sais". No caso de utilizar uma " sport drink " esta não pode ter mais de 8% de hidratos de carbono, de modo a não haver uma diminuição na sua absorção no intestino.

O EQUIPAMENTO INDIVIDUAL E COLETIVO

A utilização de equipamento individual adaptado a cada um, especialmente as meias e as chuteiras, tem-se revelado como determinante na prevenção de lesões nos pés, nos tornozelos e especialmente nos joelhos.

Nos miúdos e nos adolescentes o uso de caneleiras, cotoveleiras e joelheiras bem moldadas a cada um, previne substancialmente as lesões de índole traumática.

A baliza é frequentemente um instrumento agressor dos jovens futebolistas, particularmente quando não é fixa ao solo. Não sendo fixa, a sua frequente queda em cima dos atletas tem dado origem a sérias lesões de natureza traumática aguda, assim como inclusivamente a mortes. O treinador deve garantir em todas as ocasiões, a estabilidade completa da baliza.

Nas suas brincadeiras no campo, as crianças trepam e se penduram nas balizas e com frequência caem das mesmas, com consequentes lesões nos membros superiores, crâneo e coluna cervical. O treinador tem que permanentemente controlar esse frequente vício e divertimento inconsequente.

O treinador de futsal apenas deve utilizar nas crianças e nos adolescentes futebolistas, bolas sintéticas, de modo a não absorverem a água do campo, já que as de cabedal ao se empaparem tornam-se muito pesadas e criam situações de elevada energia cinética, com aumento do risco lesional no pescoço e na cabeça aquando do cabeceamento.

O treinador deve ter o cuidado de diariamente verificar e se necessário reparar qualquer irregularidade no piso do campo, de modo a evitar as entorses do tornozelo e do joelho, ou mesmo as fracturas da tibia.

AS LESÕES DE SOBRECARGA

A sobrecarga continuada de treino (overtraining) imposta quase sempre pelo treinador, é a principal causa de lesão em crianças e nos adolescentes jogadores de futebol.

Mas a verdade é que esta situação resulta quase sempre da constante pressão criada por parte dos pais, para que o seu filho seja o melhor, em associação à ideia enraizada de que o atleta tem de treinar até à exaustão, para poder ganhar a todo o custo e assim conseguir vir a ser um Neymar.

O treinador tem que saber que a criança é um ser com um morfotipo próprio em crescimento e desenvolvimento, pelo que a sua função deve se apoiar sistematicamente num programa de treino bem estruturado para esse atleta, assim como no seu bom senso, no desenvolvimento do mesmo programa.

As crianças nunca devem sentir-se ou serem pressionados quando se encontram desmotivados, fatigados, ou lesionados.

O treinador deve impor o praticante em desenvolvimento, algumas "paragens no treino" para que este possa aprender a conhecer e a readaptar o seu corpo, de modo a não ter a tentação de ultrapassar as suas capacidades morfo-funcionais e criar lesões relacionadas ao crescimento. Nesses períodos de paragem, convém que mantenha atividade desportiva numa outra modalidade de mais baixa agressividade física.

O treinador de crianças tem que interiorizar que o objetivo principal de os ter no campo e na modalidade, é o seu divertimento e a manutenção da sua saúde física e mental constantemente.

AS LESÕES TRAUMÁTICAS AGUDAS

O compromisso do treinador com a prevenção das lesões agudas no futebol, deve basear-se no ensinamento a dar aos seus atletas, de que é determinante estes manterem permanentemente o respeito, pelas normas gerais e pelas limitações pontuais da modalidade durante um jogo ou durante um treino e principalmente pelo fair-play com os outros futebolistas.

Sempre que uma criança, adolescente ou jovem surgirem sinais de alarme sinalizadores de uma lesão traumática aguda, a suspensão imediata da actividade desportiva a ser imposta pelo treinador, deverá ser a norma e a avaliação oportuna por um especialista a regra.

Para tal, um médico especialista, será o profissional indicado, já que só ele tem a experiência adequada e a garantia de promover uma recuperação plena.



Comente:

Nenhum comentário